VNEWS BA Mostra a Bahia que você não conhece!

Carnaval: Sem definição sobre Carnaval, Salvador busca contratação de empresa para montagem de estruturas da festa

Mesmo com o cancelamento do Réveillon e com a realização do Carnaval em xeque, a Prefeitura de Salvador se antecipou e está à procura de uma empresa para montar e desmontar unidades modulares de saúde que serão instaladas em festas populares e na folia momesca. 

A informação consta na edição desta segunda-feira (6/12) do Diário Oficial do Município, que publicou a convocação de empresas interessadas a participar do pregão eletrônico. 

As propostas serão abertas no dia 21 deste mês. Neste mesmo dia, haverá a disputa dos empreendimentos que brigarão para fechar o contrato. Detalhes sobre duração do vínculo não foram divulgados na publicação. 

A procura do Palácio Thomé de Souza ocorre em meio às incertezas sobre a realização da festa. Na última quinta-feira (2/12), o prefeito Bruno Reis (DEM) revelou que a conversa que teria com o governador Rui Costa (PT) foi adiada em razão do cenário epidemiológico da Covid-19 no planeta, que vem estando em sinal de alerta por conta da variante ômicron, que ainda não foi registrada na Bahia.

Na última segunda (29/11), o gestor já havia anunciado o cancelamento do Festival Virada, festa de Réveillon organizada pela Prefeitura. 

Enquanto isto, artistas e entidades carnavalescas vêm pressionando para que haja o Carnaval no próximo ano. Membros do Conselho Municipal do Carnaval (Comcar) e da Associação dos Profissionais de Evento (Ape) realizaram uma manifestação no último domingo (21/11) no Farol da Barra. Nas redes sociais, cantores como Léo Santana e Igor Kannário também defendem a realização do evento.

Apesar dos defensores, há artistas que preferem ponderar a situação. O cantor Gilberto Gil não vai organizar o Expresso 2222 no próximo ano. O camarote é um dos mais tradicionais do Circuito Barra/Ondina. A Banda Eva também anunciou na última sexta-feira (3/12) que não desfilará no Carnaval soteropolitano. 

“A pandemia ainda não acabou. A aglomeração é um multiplicador do vírus e o Carnaval é uma aglomeração extraordinária. Tenho receio de produzir uma festa tão grande com duração de uma semana, como o Camarote Expresso 2222, e cooperar com a permanência, e até uma expansão, da pandemia. Tenho muito respeito pela minha vida e a vida alheia”, disse, em entrevista ao Correio.

Com a resistência de Rui, Bruno chegou a mudar o discurso e admitir que a festa pode ser adiada e organizada para outro mês que não fevereiro.


Curta e Compartilhe.

Total de Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Leia Também