PF apreende R$ 100 mil e joias na casa de desembargadora presa na Bahia

Agentes da PF (Polícia Federal) encontraram cerca de R$ 100 mil em espécie, além de joias e obras de arte, no apartamento da desembargadora e ex-presidente do TJ-BA (Tribunal de Justiça da Bahia) Maria do Socorro Santiago.

Na última 6ª feira (29.nov.2019), a magistrada foi presa na Operação Joia da Coroa. Trata-se de 1 desdobramento da investigação sobre venda de decisões judiciais para legalizar terras griladas no Oeste baiano. Também foram cumpridos 3 mandados de busca e apreensão.

Entre os itens apreendidos, estavam 3 relógios que estampavam a marca Rolex e 1 colar de ouro que tinha “aparente alto valor de mercado”, segundo a Procuradoria Geral da República

Também foram encontrados quadros de artistas brasileiros, que não foram apreendidos. Alguns estavam embalados. No gabinete da desembargadora estavam 7 canhotos de cheques indicando pagamentos aos artistas plásticos Tati Moreno e Sérgio Amorim. A PF ainda apreendeu IPTU de imóveis em Canela, Flamengo e P. do Forte“.

O MPF (Ministério Público Federal) afirma que o padrão de vida de Maria Socorro está “acima do que seria esperado para uma servidora pública”.

Na mesma operação da 6ª (29.nov), 4 prisões temporárias foram convertidas em preventivas. Entre elas, a do falso cônsul de Guiné-Bissau e apontado como idealizador do esquema de grilagem, Adailton Maturino, e da esposa dele, Geciane Maturino.

Uma ligação telefônica de 1 aparelho grampeado para uma funcionária do gabinete desencadeou a prisão preventiva da desembargadora. Ela estava afastada desde 19 de novembro e proibida de se comunicar com funcionários do tribunal.