Operação Caduceu: PF estima prejuízo de R$ 7 mi com fraudes ao INSS

Operação Caduceu: PF estima prejuízo de R$ 7 mi com fraudes ao INSS Os delegados da Polícia Federal disseram, nesta quarta-feira (9), que a operação Caduceu estima que o prejuízo provocado por fraudes ao INSS por um grupo de estelionatários chega a R$ 7 milhões e afetou 140 benefícios. Nesta quarta, agentes da PF deflagraram ação e prendaram três pessoas em Salvador supostamente envolvidas no crime nos estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

Segundo eles, o rombo aos cofres públicos pode ser ainda maior na medida em que as investigações avancem. “Esse caso envolve uma pessoa que já é conhecida nossa há muito tempo, que já foi alvo de várias investigações, já foi preso e desde a década 80 persiste em fraudes contra o INSS”, disse o delegado Daniel Madrugada, sem mencionar o nome.  

Segundo ele, o estelionatário responde a 15 ações penais apenas na Justiça Federal em Salvador. “Mas quando é colocado em liberdade se reestrutura a rede de contato e volta a atuar”, afirmou o delegado Bruno Diniz. A PF estima que o criminoso tinha “lucro” de R$ 20 mil por mês. Ao todo, estima-se que ganhou R$ 2 milhões de 2011 até este ano. “Os clientes pagavam a quadrilha com empréstimos consignados e todo o valor era destinado ao líder do grupo que repassava aos integrantes”, afirmou Madrugada. 

“Com a desarticulação desse grupo, vamos poder economizar cerca de R$ 11 milhões”, emendou Marcelo Ávila, que é coordenador-geral de inteligência previdenciária e trabalhista. O estacionário, que mora na Barra, tinha dois filhos recebendo o benefício fraudado e eles alegavam ter câncer. De acordo os investigadores, os criminosos criavam vínculos empregatícios fictícios e depois usavam documentos falsos para simular doenças e receber benefícios.

Um servidor do INSS aposentado, que não teve o nome divulgado, também participava do esquema, segundo a PF. Ele vai responder criminalmente e internamente. “É importante ficar claro que a gente tem por foco a quadrilha, mas todas as pessoas beneficiárias cometeram um crime”, pontuou Diniz. 

Além das prisões na Barra, em Brotas e no Centro, em Salvador, a PF também cumpriu mandados de busca e apreensões na capital baiana, Camaçari e Aracaju. A PF apreendeu mídias, equipamentos que eram utilizados para confecção de laudos, atestados médicos e carimbos falsos. 



Deixar um comentário